CORTE DE HORAS e FALTA DE INVESTIMENTOS NA GUARDA MUNICIPAL VEM CONTRIBUINDO PARA O AUMENTO DA CRIMINALIDADE.

CORTE DE HORAS e FALTA DE INVESTIMENTOS NA GUARDA MUNICIPAL VEM CONTRIBUINDO PARA O AUMENTO DA CRIMINALIDADE.

O processo de sucateamento e precarização que a Guarda Municipal de Curitiba vem sofrendo ao longo da Gestão Fruet, vem mostrando resultado. Infelizmente, o saldo não é positivo para a população de Curitiba.

 

Desde que a Prefeitura implementou o corte das horas extraordinárias realizadas pelos Guardas Municipais, o número de arrombamentos, furtos e roubos, aumentaram sensivelmente.

 

As horas além da carga normal, eram realizadas devido ao efetivo não corresponder a demanda de trabalho. O prefeito Gustavo Fruet, prometeu dobrar o número de guardas municipais nas ruas, porém o que vemos é justamente o contrário.

 

O único concurso público deflagrado ao longo desta gestão, prevê a contratação de 28% daquilo que foi prometido pelo atual Prefeito e encontra-se estagnado, sem previsão de convocação dos aprovados.

 

O resultado da soma da falta de contratação e do corte de horas imposta pela Secretaria Municipal de Recursos Humanos, é o aumento do número de arrombamentos, furtos e roubos, as estações tubos, terminais, unidades de saúde e outros próprios do município, até mesmo a sede do Núcleo Regional do Boa Vista, já foi alvo dos bandidos neste período.

 

Basta abrir as páginas dos jornais e acompanhar os noticiários para confirmar estas informações.

 

A falta de investimentos de segurança, além de ser o ponto motivador da mobilização dos trabalhadores da Guarda Municipal, promovidas pelo sindicato, também motivou paralisações de outras categorias, como a dos motoristas e cobradores de Curitiba, cobrando mais segurança na rede de transporte coletivo da cidade.

 

Acompanhe clicando aqui.

 

O SIGMUC, denunciou por diversas vezes, a diminuição do número de viaturas causada pelo recolhimento das 9(nove) viaturas destinadas a PROTEÇÃO DO TRANSPORTE COLETIVO.

 

Clique aqui e confira a matéria.

 

Com a retirada destas viaturas, as ocorrências deram um salto, e quem sofre com isso são os usuários do transporte coletivo.

 

Já, nos equipamentos da Secretaria Municipal de Saúde, os funcionários temem assumir o trabalho devido à falta de segurança nas Unidades de Saúde.

 

A Matéria estampa: ” Unidade em Curitiba foi furtada 5 vezes em 3 meses, diz servidora. Prefeitura diz que Guarda Municipal tem intensificado o trabalho de ronda.”

 

Clique aqui e leia a matéria.

 

 

 

 

Veja a nota da prefeitura

 

As ocorrências de furtos nas unidades de saúde preocupam a Prefeitura de Curitiba, que vem cobrando das polícias militar e civil um trabalho mais intenso de repressão e investigação dos casos. A repressão aos crimes é função da Polícia Militar, não importando o local onde ocorram. Dentro do papel suplementar ao da PM, de auxiliar na segurança fazendo patrulhamentos preventivos, a Guarda Municipal já intensificou as rondas nas proximidades das unidades de saúde. É importante ressaltar que Segurança Pública é responsabilidade constitucional dos governos estaduais. Os guardas municipais atuam auxiliando no atendimento à população e fazem apenas prisões em flagrante de suspeitos se acionados ou se estiverem presentes no momento do crime ou infração.”

 

 

A GESTÃO GUSTAVO FRUET, MOSTRA DESCONHECER A PRÓPRIA LEGISLAÇÃO DO MUNICÍPIO DE CURITIBA.

A nota da Prefeitura, além de ser falaciosa, desrespeita a Própria Lei orgânica do Município que em seu artigo 102 define o papel originário da Guarda Municipal:

 

Art.102. O Município manterá urna guarda municipal para a proteção de seus bens, serviços e instalações, conforme disposto em lei.

 

Assim como, a Lei Municipal nº 13.769/2011 que incluiu a proteção a população no rol de atribuições da Guarda Municipal de Curitiba.

 

No âmbito Federal, a Lei nº 13.022/2014, aprovada no ano passado ampliou as competências das Guardas Municipais, definindo de forma geral as competências, organização e atribuições, das guardas municipais de todo país.

 

Mas, isso não parece ter sido assimilado pela Prefeitura de Curitiba, que insiste em empurrar para o Estado uma responsabilidade que sempre foi sua.

 

INCOERÊNCIA

 

Em recente mensagem do Prefeito, (PL n° 005.00005.2015) encaminhada ao Presidente da Câmara de Vereadores, para justificar a contratação de Seguro de Vida para Guarda Municipal o Prefeito Gustavo Fruet, apresentou postura contrária, ao que vem sendo publicado pela Prefeitura, acompanhe abaixo:

 

MENSAGEM Nº 002/2015

 

Excelentíssimo Senhor Presidente,

Excelentíssimos Senhores Vereadores:

 

Segue à apreciação dessa Colenda Câmara de Vereadores, projeto de lei que “Dispõe sobre a contratação de seguro de vida aos integrantes da Guarda Municipal de Curitiba”.

 

Com o advento da Lei nº 13.022, de 2014, que dispõe sobre o Estatuto Geral das Guardas Municipais, incumbe às guardas municipais, instituições de caráter civil, uniformizadas e armadas, conforme previsto em lei, a função de proteção municipal preventiva. A Guarda Municipal de Curitiba, assim como as demais instituições, assumiu o policiamento de prevenção nas cidades.

 

Destarte, desde sua criação, a GMC vem evoluindo em pessoal, estrutura e em suas funções, acompanhando a transformação da segurança pública em todo Brasil, e até no mundo, onde a tendência é a ação de forma focalizada, primando pela prevenção e combatendo, em conjunto com os governos Federal e Estadual, à violência e criminalidade, em integração com as demais formas e forças de atuação públicas.

 

Cabe salientar que a Lei Orgânica do Município de Curitiba, em sua redação mais recente, prevê em seu art. 156 que:

 

“Art. 156. O Município de Curitiba, em ação conjunta e integrada com a União e o Estado, assegurará os direitos relativos à educação, à saúde, à alimentação, à moradia, à cultura, à capacitação ao trabalho, à assistência social, à segurança pública, ao lazer, ao desporto e ao meio ambiente equilibrado, priorizando a dignidade da pessoa humana.” (grifei)

 

Todavia esta responsabilidade assumida pelo Município traz consigo um ônus, que é a exposição dos seus servidores aos riscos inerentes à função de segurança pública, devendo assim prover para isso os meios necessários e disponíveis para reduzir os riscos para a incolumidade de seus servidores, conforme também prevê a LOM em seus art. 89, inciso XIV:

 

“Art. 89. São direitos dos servidores públicos, entre outros:

 

XIV – redução dos riscos inerentes ao trabalho por meio de normas de saúde, higiene e segurança.” (grifei)

 

Somente este dispositivo já justificaria a contratação, isto porque é nele que se concentra o dever do Município em reduzir os riscos à segurança do servidor no desempenho de suas atividades no trabalho.

 

Por outro lado, considere-se que para o exercício da função os Guardas Municipais de Curitiba portam armas, isto porque não dificilmente se deparam com situações cotidianas de criminalidade para as quais são demandados a intervir de forma a proteger o patrimônio público e os munícipes que dele se utilizam. Nestas ações o armamento se torna uma importante força coercitiva e necessária.

 

A legislação federal privilegia o porte de armas aos Guardas Municipais em municípios com população superior a 500.000 habitantes e que integram regiões metropolitanas (Lei nº 10.687, de 2004).

 

Cabe destacar que, os Guardas Municipais possuem Corregedoria e Ouvidoria e seus integrantes passam periodicamente por exames de avaliação psicológica para portar armas, além dos cursos de formação técnico-profissionais e cumprem com os demais requisitos da Lei nº 10.826, de 2003, Decreto Federal nº 5.123, de 2004 e Instrução Normativa PF nº 23, de 2005.

 

Diferentemente das demais funções de risco, os guardas municipais trabalham uniformizados e armados e não possuem total controle sobre suas vulnerabilidades, estando constantemente expostos aos riscos da atividade, sujeitos aos imprevistos de causas externas.

 

Gustavo Bonato Fruet

Prefeito de Curitiba

 

A Sua Excelência o Senhor

Vereador Ailton Araújo

 

Presidente da Câmara Municipal de Curitiba

Curitiba – PR

 

 

Clique aqui para ler o documento oficial.

 

A categoria está na luta para cobrar que o compromissos assumidos por esta gestão sejam cumpridos.

 

O sindicato além da pressão cotidiana, redobra as cobranças, principalmente referente aos calotes que a gestão Fruet, vem impondo a categoria da Guarda Municipal e não descarta a realização de novas paralisações que serão postas para deliberação da categoria em Assembleia.

 

DIRETORIA SIGMUC.

JUNTOS SOMOS FORTES!

Comentários

  1. GM
    GM 1 dezembro, 2015, 09:05

    Hora extra não é solução para falta de efetivo, é apenas uma forma de fazer 1 GM trabalhar por 2. Da forma que foi colocado aí, parece que estamos querendo a volta daquele monte de escalas extras, onde alguns chegavam ter apenas uma folga no mês. Se falta efetivo para prevenir ou atender as ocorrências, concurso público serve para isso…

    Responder esse comentário

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.
Campos obrigatórios*