LIMITE POPULACIONAL NÃO DEVE ATRAPALHAR O PORTE DE ARMA DAS GUARDAS

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email
Share on print

Na data de ontem (20/08/19) os diretores da FENAGUARDAS, (entidade que o SIGMUC é socio funddor) solicitaram reunião com o deputado KIM KATAGUIRI – DEM-SP, na conversa a federação requereu o apoio dele no projeto de lei 3723/19 de autorização do executivo federal que alterada a lei 10826/2003 (estatuto do desarmamento) para retirada do limite populacional que restringe o porte de arma das guardas municipais com cidades com menos de 500 mil habitantes.

O deputado KIM KATAGUIRI, informou que o vice-líder do Democratas deputado Alexandre Leite, e relator do projeto acatou os pedidos da FENAGUARDAS.

deputado federal KIM KATAGUIRI – DEM-SP

A informação se concretizou quando o deputado Alexandre Leite (DEM-SP) leu no plenário da Câmara, no início da madrugada desta quarta-feira (21), o parecer sobre o projeto que altera as regras para o porte de armas.

O novo texto altera regras para o porte de guardas municipais. Na semana passada, Câmara deu urgência à proposta.

Na prática, a leitura permite aos deputados o início formal da discussão sobre a proposta e, posteriormente, a votação. Se aprovado, o projeto seguirá para o Senado.

Na semana passada, a Câmara decidiu dar urgência à proposta, e Leite chegou a apresentar um relatório. O texto lido nesta quarta, porém, contém algumas mudanças.

O direito ao porte é a autorização para transportar a arma fora de casa. É diferente da posse, que só permite manter a arma dentro de casa.

O relatório de Alexandre Leite tem como base uma proposta enviada em junho pelo governo federal, que pretende alterar o Estatuto do Desarmamento.

Durante a leitura, na madrugada desta quarta, o relator afirmou que as penas para quem descumprir a lei, fazendo “mau uso” de armas de fogo, serão mais rigorosas. Ele não especificou, porém, o que seria o “mau uso” nem a punição rigorosa.

Mudanças no relatório

Entre as mudanças sugeridas pelo relator nesta terça-feira está a ampliação do número de categorias com direito ao porte de armas.

O deputado incluiu carreiras como a de guarda portuário, policial legislativo estadual, servidor da Agência Brasileira de Inteligência e servidor do Gabinete de Segurança Institucional.

Alexandre Leite também passará a prever mudanças em relação ao porte de arma para guardas municipais.

Atualmente, o Estatuto prevê que guardas municipais de cidades com menos de 500 mil habitantes podem ter o porte em serviço; guardas municipais de capitais e cidades com mais de 500 mil podem ter porte de armas em condições previstas em regulamentação do Estatuto. O parlamentar retirou a diferenciação, prevendo o porte de armas para todas as guardas municipais.

Armas em área rural

O relator informou ter retirado do parecer as referências à “posse rural estendida”, ou seja, à possibilidade de a pessoa ter a posse de arma em toda a propriedade rural e não apenas na sede da fazenda, como define o Estatuto do Desarmamento.

Segundo o deputado, a retirada foi feita por acordo. Isso porque o projeto que trata especificamente desse tema já teve a urgência aprovada pelos deputados.

 

Agora temos que acompanhar a votação no plenário, e na sequencia no senado federal. 

JUNTOS SOMOS FORTES

COMPARTILHE

Share on whatsapp
WhatsApp
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on telegram
Telegram
Share on email
Email
Share on print
Print

FILIE-SE AO SIGMUC

INFORMATIVO SOBRE A PEC 32/2020

DENUNCIE IRREGULARIDADES

FACEBOOK

Outras Notícias