Os serviços públicos de Curitiba pioraram?

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email
Share on print

Aos olhos do cidadão de Curitiba, os serviços públicos pioraram.

Insatisfação dos curitibanos em relação a temas como segurança, saúde e educação aumentou de 2013 para cá, indica pesquisa.

A percepção dos curitibanos sobre como andam os serviços públicos na cidade mudou fortemente em 2015, na comparação com os dois últimos anos. É o que aponta a terceira pesquisa sobre qualidade de vida em Curitiba feita pela Brain Bureau de Inteligência Corporativa, a pedido da Gazeta do Povo.

 

“A percepção de que os serviços públicos estão ruins é uma percepção do brasileiro do meio urbano em geral. Mostra que as mobilizações de 2013 não eram um simples mau humor da população. É algo que vai além disso”, observa Fábio Tadeu Araújo, um dos coordenadores do estudo.

Em 2013, ano da primeira edição da pesquisa, 44% dos entrevistados disseram que a saúde estava ruim. Em 2015, o número de pessoas insatisfeitas deu um salto: 58% avaliaram que a saúde está ruim na cidade. “O curioso é que, fazendo um cruzamento com o perfil dos entrevistados, quem geralmente avalia que a saúde está ruim é quem tem plano de saúde particular, e não usa efetivamente o sistema público”, aponta Araújo.

Na pergunta sobre educação, o salto foi ainda maior: em 2013, 23% consideravam a educação ruim. Neste ano, a área foi mal avaliada por 49%. A soma, contudo, dos que acham a educação “razoável” (31%), “boa” (15%) e “muito boa” (5%), supera em um ponto a avaliação geral negativa.

 

A percepção sobre segurança segue a tendência. Ela está ruim para 58% dos entrevistados, registrando aumento na comparação com 2013, quando 45% fizeram a mesma avaliação do tema.

 

No quesito transporte, também houve aumento do número de pessoas que consideram “ruim” o serviço, de 19% em 2013 para 35% neste ano. “Houve mudanças no sistema de transporte, greve, aumento de preço de passagem. É um assunto que está sempre em evidência negativa”, diz Araújo. Apesar disso, o número de entrevistados que defende que o transporte é “muito bom” (9%), “bom” (26%) e “razoável” (30%) representa a maioria, 65%.

 

gz

Fonte: Gazeta do Povo

COMPARTILHE

Share on whatsapp
WhatsApp
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on telegram
Telegram
Share on email
Email
Share on print
Print

FILIE-SE AO SIGMUC

INFORMATIVO SOBRE A PEC 32/2020

DENUNCIE IRREGULARIDADES

FACEBOOK

Outras Notícias