SERVIDORES APROVAM PARTICIPAÇÃO NA GREVE NACIONAL DO DIA 28

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email
Share on print

Categorias também organizam mobilização contra pacotaço de ajuste fiscal

A assembleia conjunta dos servidores municipais de Curitiba decidiu compor a Greve Nacional dos trabalhadores convocada para a próxima sexta-feira, dia 28 de abril. Mais uma vez, a exemplo da paralisação do dia 15 de março, a classe trabalhadora se coloca em movimento contra as reformas da Previdência e Trabalhista e também contra a Lei das Terceirizações.

O funcionalismo público do município também está mobilizado contra o pacotaço de ajuste fiscal, proposto pelo prefeito Rafael Greca, que promove o desmonte dos serviços públicos da cidade.

No final da tarde desta segunda-feira (24), sete projetos que fazem parte do pacotaço de ajuste fiscal saíram da Procuradoria Jurídica da Câmara. Agora, os projetos devem seguir para a comissão de legislação e, depois, para as demais comissões.

Por isso, a assembleia também já indicou a construção de uma greve geral dos servidores do município. O pacotaço de ajuste fiscal poderá ser votado na Câmara Municipal em meados de maio e a organização e resistência dos trabalhadores de Curitiba já começou!

A tarefa do momento é fazer o movimento crescer em todos os locais de trabalho da cidade. Além de convencer nossos próprios colegas, também precisamos conversar com os demais trabalhadores da cidade, que serão diretamente afetados, caso o pacotaço seja aprovado.

[row][double_paragraph]

Calendário de Lutas Unificado

28 de abril – Adesão à Greve Nacional

28 de abril – Assembleia Geral dos Servidores, às 14h30

3 de maio – Conselho de Representantes de todos os servidores

8 de maio – Ato conjunto dos servidores na Câmara Municipal

15 de maio – Indicativo de Greve Unificada

[/double_paragraph][double_paragraph]

Encaminhamentos da Assembleia

– Comando de Greve Unificado;

– Panfletagens em locais públicos;

– Participar das reuniões das comissões da Câmara que irão analisar o pacotaço;

– Assembleia permanente para avaliar qualquer modificação no calendário;

– Os cinco sindicatos que representam os trabalhadores do município organizarão um painel com os vereadores favoráveis e contrários ao pacotaço de ajuste fiscal. Dessa forma, os servidores poderão se organizar para cobrar os parlamentares que tem suas bases próximas dos locais de trabalho e moradia das diversas carreiras do município.

[/double_paragraph] [/row]

COMPARTILHE

Share on whatsapp
WhatsApp
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on telegram
Telegram
Share on email
Email
Share on print
Print

FILIE-SE AO SIGMUC

INFORMATIVO SOBRE A PEC 32/2020

DENUNCIE IRREGULARIDADES

FACEBOOK

Outras Notícias