SIGMUC CONSEGUE LIMINAR PERMITINDO QUE OS GUARDAS MUNICIPAIS ACOMPANHEM AS VOTAÇÕES NA CÂMARA

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email
Share on print

A Assessoria jurídica do sindicato, representada pela advogada Drª Adenilda Maria da Costa, conseguiu liminar junto à 3ª Vara da Fazenda Pública de Curitiba, permitindo que os servidores guardas municipais acompanhem todas as votações dentro da Câmara.

 

No início da noite de ontem (29/05), o SIGMUC, bem como os demais sindicatos que representam as categorias do serviço público municipal, foram  citados sobre um Interdito Proibitório, solicitado pela Câmara.

 

Na decisão que concedeu o interdito,  em caráter liminar, a juíza da 5ª Vara da Fazenda Pública, Drª Patrícia Bergonse, além de estipular multa no valor de R$ 50.000,00 aos sindicatos em caso de descumprimento, limitava a participação dos servidores em um representante por sindicato nas votações dos projetos em trâmite.

 

Porém, na tutela de urgência solicitada pelo SIGMUC, o juiz  determinou  à Câmara Municipal de Curitiba que não impeça os sindicalizados do SIGMUC de ter acesso às galerias ou ao local a eles destinado, até o limite da respectiva capacidade, durante as sessões plenárias e as reuniões de suas Comissões, sob pena de multa diária de R$ 10.000,00 (dez mil reais).

 

Após serem citados da decisão da justiça, o presidente da Câmara, Serginho do Posto, juntamente com o presidente da Comissão de Legislação, Justiça e Redação, vereador Dr. Wolmir,  transferiram a reunião que ocorreria na sala da presidência, para o Plenário da Casa.

 

Mesmo com a liminar, foi restringida a entrada dos servidores, muitos guardas municipais ficaram do lado de fora e não conseguiram entrar.

 

“A capacidade do plenário da casa é muito maior. Um número muito pequeno de pessoas foram autorizados a entrar”, protestaram os diretores do SIGMUC, que já encaminharam a situação ao departamento jurídico do sindicato.

 

Na decisão, concedida ao sindicato,  o juiz lembra que  a  Constituição da República Federativa do Brasil se constitui em Estado Democrático de Direito e tem como um de seus fundamentos a cidadania, bem como que a publicidade é um dos princípios que orientam a administração pública – arts. 1º, II, e 37, caput.

 

Portanto, ainda que o Regimento Interno da Câmara Municipal de Curitiba não estabelecesse que as sessões plenárias e as reuniões das comissões são públicas e podem ser acompanhadas por qualquer cidadão,…  a Constituição da República assim estabelece, o que impõe à Câmara Municipal de Curitiba a sua fiel observância.

 

Seguimos na luta contra o Pacote de Maldades do Prefeito Rafael Greca, e contra as atitudes  antidemocráticas praticadas agora, pelo Poder Legislativo municipal.

 

JUNTOS SOMOS FORTES!!

 

COMPARTILHE

Share on whatsapp
WhatsApp
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on telegram
Telegram
Share on email
Email
Share on print
Print

FILIE-SE AO SIGMUC

INFORMATIVO SOBRE A PEC 32/2020

DENUNCIE IRREGULARIDADES

FACEBOOK

Outras Notícias