SIGMUC GANHA AÇÃO JUDICIAL CONTRA A PREFEITURA

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email
Share on print

Sindicato recebe sentença favorável em ação judicial e valores devem ser restituídos aos guardas municipais

Em 2015, a Prefeitura ingressou com ação civil nº 1.455.334-5 em trâmite no Tribunal de Justiça do Paraná, contra o SIGMUC, na tentativa que o Poder judiciário declarasse a abusividade da greve da categoria, ocorrida naquele ano.

Na ocasião, a Prefeitura havia conseguido uma decisão liminar, que proibia a realização da greve da categoria que ocorreu no dia 19 de outubro de 2015 e imputava ao sindicato multa diária em caso de descumprimento.

O departamento jurídico do sindicato, que está sob a responsabilidade do escritório Schmidt & Costa Advogados, recorreu da decisão e conseguiu comprovar que o sindicato cumpriu todos os requisitos legais previstos na condução da greve, não havendo abuso da categoria no exercício do direito pleiteado.

Durante o curso do processo, houveram duas sessões de julgamento, pois a primeira foi anulada por não ter acontecido com a composição integral do colegiado, porém o sindicato conseguiu sair vitorioso nos dois julgamentos, e por unanimidade dos votos dos desembargadores.

Decorrido, o prazo recursal, à Prefeitura, só resta fazer a devolução dos valores descontados ilegalmente, dos guardas municipais que participaram do movimento paredista.

Assim, como esta, outras ações judiciais foram ingressadas pelo departamento jurídico do sindicato e aguardam apreciação do poder judiciário.

Para informações sobre esta e outras ações jurídicas entre em contato com o sindicato pelo fone: 3264-5062 ou nos atendimentos jurídicos que ocorrem na sede do sindicato, todas as segundas e quintas feiras no período da tarde.

JUNTOS SOMOS FORTES!!

COMPARTILHE

Share on whatsapp
WhatsApp
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on telegram
Telegram
Share on email
Email
Share on print
Print

FILIE-SE AO SIGMUC

INFORMATIVO SOBRE A PEC 32/2020

DENUNCIE IRREGULARIDADES

FACEBOOK

Outras Notícias