SINDICATOS REALIZARÃO ASSEMBLEIA CONJUNTA CONTRA AMEAÇA DE ROMBO NO IPMC

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email
Share on print

A atual administração quer diminuir o repasse mensal ao Instituto de Previdência dos Servidores do Município de Curitiba (IPMC).

 

A proposta foi apresentada aos quatro sindicatos que representam os servidores do município no dia 27 de outubro. (clique aqui e saiba mais) Tudo indica que a Prefeitura tem pressa para aprovar a proposta, mesmo contra a vontade dos trabalhadores.

 

E como ficou demonstrado na última reunião, o Prefeito Gustavo Fruet, pode enviar projeto de lei, alterando a metodologia do cálculo de custeio dos aportes financeiros feitos pela Prefeitura ao IPMC a qualquer momento.

 

Se a lei for aprovada, o repasse mensal feito ao Instituto passará de R$ 17 milhões para seis ou sete milhões.

 

Além disso, o projeto de lei também prevê que a mudança tenha efeito retroativo a janeiro deste ano. Isso significa que Fruet poderá sacar cerca de R$ 100 milhões dos aportes feitos ao longo de 2015.

 

Diante desta ameaça ao fundo de previdência do Município, todos as entidades sindicais que representam as categorias do serviço público municipal, se recusaram a negociar qualquer alteração e promoverão no próximo dia 18 de novembro, Assembleia Geral conjunta, que debaterá ações para impedir a ameaça de rombo ao IPMC.

IMG-20151105-WA0022 20151105103219

 

Caso, tal manobra se concretize, os sindicatos trabalham no sentido da aprovação de um indicativo de greve geral dos servidores públicos de Curitiba, complementou o presidente do SIGMUC, GM Luiz Vecchi.

 

A MANUTENÇÃO DA SAÚDE FINANCEIRA DO IPMC, É UM DEVER E UM DIREITO DE TODOS OS SERVIDORES, PRINCIPALMENTE PARA A CATEGORIA DA GUARDA MUNICIPAL QUE LUTA PELA APOSENTADORIA ESPECIAL.

COMPARTILHE

Share on whatsapp
WhatsApp
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on telegram
Telegram
Share on email
Email
Share on print
Print

FILIE-SE AO SIGMUC

INFORMATIVO SOBRE A PEC 32/2020

DENUNCIE IRREGULARIDADES

FACEBOOK

Outras Notícias