AGRESSÕES NAS UPAS EXPÕEM FRAQUEZA DA ADMINISTRAÇÃO GRECA

AGRESSÕES NAS UPAS EXPÕEM FRAQUEZA DA ADMINISTRAÇÃO GRECA

Mais um caso de violência dentro de UPA – Unidade de Pronto Atendimento em Curitiba é registrado e omissão da Prefeitura só agrava a situação.

http://www.bandab.com.br/cidades/paciente-surta-e-parte-para-cima-de-medica-em-upa-de-curitiba

Com falta de efetivo, a Guarda Municipal de Curitiba conta hoje com apenas 1.270 guardas, sendo que nos últimos 6 anos já deixaram as fileiras cerca de 600 agentes. Sendo que por lei, a capacidade total do efetivo previsto é de 3.400 guardas.

“A conta não fecha” afirmam os Diretores do SIGMUC. “Do efetivo existente, a cada turno de 12 horas, não temos mais do que 20 guardas por Regional, isso quando não são deslocados dos postos para cuidar de outras atividades. “Recentemente éramos retirados dos nossos postos de serviço para monitorar as Árvores de Natal, deixando nossos postos sem efetivo” comentam os guardas municipais.

Em menos de um ano, Rafael Greca já nomeou dois secretários para a Secretaria Municipal de Defesa Social, mas parece que vai ter que mudar mais, uma vez que a segurança de Curitiba só vem piorando.

“Novamente se deparamos com servidores de Curitiba sendo agredidos durante seus plantões, e a Prefeitura continua empurrando com a barriga, literalmente!” Do concurso de 2015, até o presente momento “NENHUM” novo guarda foi contratado.

Enquanto isso…Curitiba destina mais de 1 milhão de reais para o Carnaval! E a segurança fica às minguas. Eis o porquê de tanta violência… é motorista esfaqueado no transporte coletivo, é funcionário agredido em posto de saúde, e o dinheiro público sendo gasto com purpurina e confetes.

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.
Campos obrigatórios*