Cidade Industrial lidera ranking de homicídios em Curitiba neste ano

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email
Share on print

Porém, mapa da violência da Segurança Pública mostra redução de 17% nos números de homicídios dolosos no Estado.

O relatório de crimes divulgado ontem pela Secretaria da Segurança Pública do Paraná (Sesp) revelou que a Cidade Industrial foi o bairro mais violento de Curitiba no primeiro semestre deste ano. Nos seis primeiros meses 35 pessoas foram assassinadas, de um total de 260 em toda a cidade. Na sequência aparecem Tatuquara, com 27 registros de homicídios, Sítio Cercado, com 21, Cajuru, com 17, e Caximba, com 13. Contudo, as estatísticas mostram que os casos de homicídios dolosos cairam 17% no Paraná.

Considerado mundialmente como indicador master para medir a eficiência e a eficácia de ações na área de segurança pública, o homicídio doloso (quando há intenção de matar) apresentou queda em todo o Paraná no primeiro semestre do ano. Foram 267 crimes a menos — de total de 1.311 nos seis primeiros meses deste ano —, na comparação com o acumulado de 2012, o que equivale a praticamente um mês sem homicídio doloso no Estado.
No mês de junho, por exemplo, foi registrada a menor taxa de homicídios no Estado desde que o índice começou a ser computado, em 2007, com 170 mortes.

Da mesma forma, a Cidade Industrial de Curitiba, bairro considerado o mais violento da capital, também ficou mais de 30 dias sem ocorrências desse crime.
Sem homicídios — Ainda no documento é possível ver que janeiro foi o mês com o maior número de registros de assassinatos (56) em Curitiba, e junho o menor (31). Vinte e sete bairros de Curitiba não apresentaram nenhum homicídio nos primeiros seis meses de 2013.
O levantamento ainda traz registros de latrocínio (roubo seguido de morte) e lesão corporal. Foram registrados em toda a cidade 10 latrocínios e 13 vítimas de lesão corporal.

Fonte: Bem Parana

COMPARTILHE

Share on whatsapp
WhatsApp
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on telegram
Telegram
Share on email
Email
Share on print
Print

FILIE-SE AO SIGMUC

INFORMATIVO SOBRE A PEC 32/2020

DENUNCIE IRREGULARIDADES

FACEBOOK

Outras Notícias