SIGMUC questiona reajuste sem ganho real e registra a insatisfação dos servidores da Guarda com o reajuste aprovado.

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email
Share on print

Reajuste aos servidores é confirmado em segunda votação

 

O reajuste linear de 5,38% nos vencimentos dos servidores municipais de Curitiba foi aprovado pelos vereadores, em votação final, na sessão desta terça-feira (13) da Câmara Municipal. A proposta, que será paga retroativa ao mês de abril (data base do funcionalismo), foi apresentada pelo prefeito Gustavo Fruet e corresponde à reposição integral da inflação acumulada nos últimos 12 meses, medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC). O impacto financeiro anual estimado é de R$ 206,9 milhões.

 

Além dos servidores públicos da administração direta, autarquias e fundações municipais de direito público, o projeto (005.00087.2014) aplica-se aos aposentados, pensionistas, quadro de pessoal da Câmara de Curitiba, procurador-geral e secretários. Também abrange a remuneração das contratações temporárias realizadas sob o regime da lei nº 8.377/1994.

 

Como a matéria já havia sido amplamente debatida na sessão de ontem (12), diversos vereadores foram à tribuna para justificar seus votos. Após a votação, representantes dos sindicatos dos Servidores Públicos de Curitiba e dos Guardas Municipais também puderam se manifestar. Os sindicalistas reprovaram o valor da correção e pediram mais diálogo com a prefeitura, valorização salarial e melhorias nas carreiras e condições de trabalho.

 

Luiz Vecchi da Silva, presidente do SIGMUC -  Sindicato da Guarda Municipal de Curitiba, pediu mais valorização dos trabalhadores. (Foto – Anderson Tozato/CMC)
Luiz Vecchi da Silva, presidente do SIGMUC – Sindicato da Guarda Municipal de Curitiba, pediu mais valorização dos trabalhadores. (Foto – Anderson Tozato/CMC)


Além de Chicarelli (PSDC), único a votar contra o projeto em primeiro turno, Rogério Campos (PSC) também votou pela derrubada do texto. Na opinião de Chicarelli, ao  acatar a proposta, a Câmara teria “demonstrado fragilidade e cedido à ingerências do Executivo”. O parlamentar voltou a pedir que o município adotasse o reajuste concedido pelo governo estadual, de 6,5%.

Na opinião de Chicarelli, ao acatar a proposta, a Câmara teria demonstrado fragilidade e cedido à ingerências do Executivo. (Foto – Anderson Tozato/CMC)
Na opinião de Chicarelli, ao acatar a proposta, a Câmara teria demonstrado fragilidade e cedido à ingerências do Executivo. (Foto – Anderson Tozato/CMC)

Rogério Campos (PSC), por sua vez, argumentou que a derrubada da proposição mostraria a insatisfação do Legislativo com o percentual oferecido. “Isto iria mostrar que os servidores merecem ser valorizados. Se não reconhecermos quem cuida das nossas crianças, do nosso patrimônio, enfim, quem vamos valorizar, aqueles que vem pra cá ver jogo de futebol?”, questionou.

 

“Se não reconhecermos quem cuida das nossas crianças, do nosso patrimônio, enfim, quem nós vamos valorizar, aqueles que vem pra cá ver jogo de futebol?”, questionou Rogério Campos. (Foto – Anderson Tozato/CMC)
“Se não reconhecermos quem cuida das nossas crianças, do nosso patrimônio, enfim, quem nós vamos valorizar, aqueles que vem pra cá ver jogo de futebol?”, questionou Rogério Campos. (Foto – Anderson Tozato/CMC)

Os argumentos, entretanto, foram rebatidos por Serginho do Posto (PSDB), Valdemir Soares (PRB) e pelo líder da maioria, Pedro Paulo (PT). Estes parlamentares destacaram a “responsabilidade” da prefeitura ao apresentar a proposta e a abertura de diálogo com os servidores. Soares e Pedro Paulo criticaram vereadores que teriam apontado obstáculos à aprovação somente em plenário, desconsiderando o trâmite nas comissões e a possibilidade de apresentação de emendas.


A falta de diálogo apontada pelos sindicatos também foi comentada por Chico do Uberaba (PMN) e Professora Josete (PT). Apesar de terem sido favoráveis ao reajuste, os parlamentares pediram mudanças na condução das negociações entre prefeitura e servidores. “É ruim com esse aumento, mas seria pior sem ele”, salientou o vereador do PMN.

Na defesa dos servidores da Guarda, o presidente do SIGMUC  questionou o reajuste sem ganho real e registrou a insatisfação dos servidores da Guarda com o reajuste aprovado.

 

leia a matéria completa clicando aqui


COMPARTILHE

Share on whatsapp
WhatsApp
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on telegram
Telegram
Share on email
Email
Share on print
Print

FILIE-SE AO SIGMUC

INFORMATIVO SOBRE A PEC 32/2020

DENUNCIE IRREGULARIDADES

FACEBOOK

Outras Notícias