PL DE AVALIAÇÃO FUNCIONAL DOS SERVIDORES AVANÇA NA CMC

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email
Share on print

O projeto de lei que visa reestruturar a avaliação dos servidores em estágio probatório e instaura o programa de gestão de desempenho funcional na administração de Curitiba, recebe parecer da Câmara Municipal após analise das sugestões formuladas pela assessoria jurídica de recursos humanos e da comissão de estágio probatório.

A proposta muda significativamente a avaliação do estágio probatório recebendo critérios subjetivos e sem segurança para os servidores em avaliação. Neste caso deixam de existir os requisitos avaliativos objetivos do art. 8º da lei 10.815/2003, e são incluídas, por decreto, novas metodologias qualitativas e quantitativas ao interesse do gestor da vez. O servidor aprovado em concurso público se submeterá a avaliação funcional especial durante 3 anos, e neste período, será avaliado anualmente por uma comissão formada para este fim.

Os servidores estáveis serão avaliados anualmente com base em indicadores de desempenho funcional em dois fatores, o de resultado, baseado em objetivos e metas, e o de comportamento, relacionado aos conhecimentos, habilidades e atitudes profissionais. Os critérios também serão estabelecidos por decreto. A comissão avaliativa será composta pela chefia imediata e dois servidores ocupantes do mesmo cargo do servidor avaliado.

Muito embora as avaliações, de estágio probatório e funcional, sejam mecanismos de aprimoramento do serviço público, a proposta é considerada como preocupante pelo sindicato. O enfraquecimento das regras por meio de decretos, retira a segurança dos servidores em não ser submetidos a avaliações manipuladas e direcionadas, que podem, justamente ir no sentido contrário dos princípios da administração pública.

Chama a atenção o fato da proposta não trazer informações sobre as consequências obtidas com os resultados e da impossibilidade de avaliação da chefia por parte dos subordinados. “São muitas incertezas no teor do projeto. As atividades da Guarda Municipais não podem ser comparadas a dos demais servidores, e quando isso ocorrer, resulta consequências prejudiciais a própria instituição e ao servidor, já que na segurança pública existem elementos que não são comuns em outras áreas da administração.” Pontuam os diretores do SIGMUC.

O SIGMUC reforça a necessidade da categoria em acompanhar a tramitação da proposta para que esta não se torne uma ferramenta da assédio da administração para com os servidores.

COMPARTILHE

Share on whatsapp
WhatsApp
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on telegram
Telegram
Share on email
Email
Share on print
Print

FILIE-SE AO SIGMUC

INFORMATIVO SOBRE A PEC 32/2020

DENUNCIE IRREGULARIDADES

FACEBOOK

Outras Notícias