Seminário em Curitiba discute a segurança pública

A segurança pública e o papel do Estado foram debatidos nos dois dias do seminário promovido pelo Fórum Paranaense Pela Segurança Pública.

 

Representantes de entidades de classe, dirigentes sindicais e organismos da segurança pública participaram do 1º Seminário: “Repensando a Segurança Pública”, realizado em Curitiba dias 24 e 25 de abril. A promoção é do Fórum Paranaense pela Segurança Pública, composto por entidades sindicais de trabalhadores de segurança e pela UGT-PARANÁ. e coordenado por Fernando Vicentine, presidente do SINPEF/PR-Sindicato dos Policiais Federais do Paraná (filiado à União Geral dos Trabalhadores).

 

Nos dois dias de seminário, profissionais das diversas áreas da segurança pública participaram de  palestras e debates realizados no auditório da FIEP – Federação das Indústrias do Estado do Paraná e no auditório da Faculdade Uninter. Na abertura, dia 24/4, estiveram presentes as seguintes autoridades: o presidente do Fórum, Fernando Vicentine, o presidente da UGT-PARANÁ, Paulo Rossi, o vice-presidente da Federação Nacional dos Policiais Federais, Luis Antonio Boudens, o  procurador da República,  Marcelo Godoy; representando a Prefeitura de Curitiba, o superintendente da Secretaria Municipal da Defesa Socia,l Osiris Klamas,  o vice-presidente da APRAS/SC – Associação de Praças de Santa Catarina, Luis Fernando Bittencourt e o deputado estadual professor Lemos (PT), além  do sociólogo e professor da Universidade Federal do Paraná, Pedro Rodolfo Bodê de Moraes, que proferiu a palestra: “Desmilitarização e Democratização das Polícias: Por uma Polícia Voltada ao Cidadão”.

 

O presidente do Fórum, Fernando Vicentine, destacou o trabalho que vem sendo realizado pelas entidades que compõem o colegiado, e as propostas que a entidade quer encaminhar ao congresso nacional, para que se tornem Leis. “Precisamos urgentemente do apoio dos parlamentares e de toda a população brasileira, pois a segurança pública clama por uma reforma do seu sistema, que vem desde a época do império”, disse Vicentine.

 

O presidente da UGT-PARANÁ , Paulo Rossi destacou a necessidade urgente da revisão do papel das policias na sociedade, e as condições de trabalho a que são submetidos os profissionais de segurança. “Esses trabalhadores não podem ser tratados apenas como números, são seres humanos com uma história de vida pessoal, familiar e social. São inúmeros os casos de depressão e doenças relacionadas ao trabalho, e cabe ao Estado, que é contratante das principais forças policiais, promover as qualificações e dar melhores condições salariais e de trabalho para que esses profissionais possam agir de forma eficaz em todas as etapas da atuação policial”. Rossi criticou ainda o recente episódio envolvendo a apresentadora do telejornal do SBT, Raquel Sherazade. “Infelizmente, o Brasil não vive um Estado Democrático de Direito. O comentário da Raquel foi aquilo em que a maioria da população brasileira pensa em relação aos marginais. Neste país só existem Direitos Humanos para bandidos. Nós, cidadãos de bem, que trabalhamos e pagamos impostos, estamos à mercê dos nossos direitos, e ainda aparecem parlamentares filiados a partidos que se intitulam de “esquerda” querendo censurar as pessoas. Basta! A UGT defende a valorização da classe policial e que os Direitos sejam para todos os Humanos”, finalizou Rossi.

 

 

Os profissionais da segurança pública não podem ser tratados como números estatísticos, disse o presidente da UGT-PARANÁ, Paulo Rossi
Os profissionais da segurança pública não podem ser tratados como números estatísticos, disse o presidente da UGT-PARANÁ, Paulo Rossi

O presidente do SIGMUC – Sindicato da Guarda Municipal de Curitiba (filiado à UGT), Luiz Vecchi, comemorou a aprovação do projeto de Lei que regulamenta as guardas municipais no país, mas ressaltou que a luta por melhores condições de trabalho continua. “Aqui em Curitiba, demos o primeiro passo para que os profissionais da guarda municipal tenham um plano decente de carreira na prefeitura. Esperamos que o prefeito Gustavo Fruet (PDT) se mostre sensível e valorize os profissionais que zelam pela segurança dos cidadãos curitibanos”, concluiu Vecchi.

 

O presidente do SIGMUC, Luiz Vecchi, quer da prefeitura de Curitiba uma maior valorização do efetivo da guarda municipal
O presidente do SIGMUC, Luiz Vecchi, quer da prefeitura de Curitiba uma maior valorização do efetivo da guarda municipal

 

Esse primeiro seminário promovido pelo Fórum Paranaense Pela Segurança debateu ainda questões relacionadas ao “Controle externo no Paraná e na autuação criminal”, apresentadas pelo procurador da República Marcelo Godoy; ” A guerra às drogas’, pela juíza aposentada Maria Lúcia Karam; “Panorama Nacional da Segurança”, apresentado pelo senador paranaense Álvaro Dias (PSDB), e a “Inovação da Segurança Pública”, pelo professor da UERJ – Universidade Estadual do Rio de Janeiro, Luiz Eduardo Soares.

 

A segurança pública clama por mudanças urgentes em seu sistema, destacou o coordenador do Fórum, Fernando Vicentine
A segurança pública clama por mudanças urgentes em seu sistema, destacou o coordenador do Fórum, Fernando Vicentine